D

 

 

DAFNE (g) Ninfa transformada em loureiro quando prestes a ser apanhada por Apolo que a perseguia.

 

DÁFNIE (g) Pastor siciliano a quem a mitologia atribui a invenção da poesia bucólica.

 

DANAÉ (g) Filha de Acrísio, rei de Argos, e mãe de Perseu que ela teve de Júpiter. Este penetrara, transformado em chuva de ouro, na torre de bronze, onde o pai a retinha cativa.

 

DANAIDES (g) Nome das cinqüenta filhas de Danaus, que, todas, com exceção de uma, mataram os esposos na noite de núpcias. Foram condenadas, no Tártaro a encher um tonel sem fundo.

 

DANAUS (g) Rei do Egito, mais tarde de Argos, pai das Danaides. V. Gelanor.

 

DÁRDANO (g) Fundou Dardânia ao pé do monte Ida, cidade que mais tarde se chamou Tróia.

 

DÉDALO (g) Arquiteto grego, construtor do labirinto de Creta, onde foi enterrado o Minotauro e onde o próprio Dédalo foi encerrado, por ordem de Minos, conseguindo todavia evadir-se por meio de asas feitas com penas e unidas com cera. V. Ìcaro.      

 

 DEIFOBÉIA (g) Uma Sibila amada por Apolo. A ela se atribuem os livros proféticos chamados sibilinos, que continham as predições sobre os destinos romanos. Era também conhecida por Demofila ou Herofila.

 

DEÍFOBO (g) Filho de Príamo, desposou Helena, depois da morte de Páris.

 

DEIMOS (g) O Terror, filho de Ares (Marte) e Afrodite (Vênus) e irmão de Fobos, o Medo. A Astronomia deu seu nome a um dos satélites do planeta Marte. V. Fobos.

 

DEIÔNEO (g) Foi pai de Dia, a qual se casou com Ixion, filho de Flégias, rei dos Lapitas. V.Ixion.

 

DEJANIRA (g) Era filha de Eneu, rei de Calidão, e Alteia. Estava noiva de Aquelôo, deus fluvial, mas Hércules disputou-a com o deus, venceu e casou-se com ela, de cuja união nasceu Hilos.

 

DELFOS (g) Cidade da Fócida, famosa pelo templo dedicado a Apolo, onde a pitonisa comunicava seus oráculos. Ficava nas proximidades do Monte Parnaso.

 

DELIA (g) Um dos nomes pelos quais se conhecia Diana. No céu também era conhecida por Lua ou Febe, e nos infernos chamavam-na de Hécate ou Prosérpina. V. Diana.

 

DEMÉTER (g) Deusa grega da agricultura, era filha de Cronos (Saturno) e de Réia (Cibele). Em Roma, foi identificada com Ceres.

 

DEMOFILA (g) V. Deifobéia.

 

DESTINO (g) Filho de Caos e da Noite, era um deus cego. Tem debaixo dos pés o globo terráqueo e nas mãos a urna fatal que encerra a sorte dor mortais. As Parcas, filhas de Têmis, são as encarregadas de executar suas ordens.

 

DEUCALIÃO (g) Era filho de Prometeu e marido de Pirra. É o Noé da mitologia grega. O dilúvio inundara a Tessália: Deucalião e Pirra refugiaram-se numa barca que os levou até o Parnaso. Foram os únicos que escaparam e de novo povoaram o mundo, lançando pedras para trás de si. Cada pedra que Deucalião atirava, surgia um homem e de cada pedra lançada por Pirra surgia uma mulher.

 

DIA (g) Filha de Deioneu, foi esposa de Ixion, filho de Frégias, rei dos Lapitas.

 

DIANA (g) Também conhecida por Artemis e Delia, era filha de Júpiter e de Latona e irmã de Apolo. Muito afeiçoada a caçadas, acabou por tornar-se insensível às inclinações próprias a seu sexo. Nenhum dos pretendentes conseguiu lograr seu amor e por isso foi designada a casta. V. Delia.

 

DICTIS (g) Pescador que recolheu Danaé e seu filho Perseu, abandonados num frágil barco à fúria do mar, e os levou à presença do Rei Polidecto que encarregou os sacerdotes do templo de Minerva de educarem o pequeno náufrago. V. Perseu.

 

DIDO (g) Filha de Belo, rei de Tiro e irmã de Pigmalião, foi a fundadora de Cartago. Virgílio fez dela importante personagem de seu poema. É a Dido que Enéias conta, em versos maravilhosos, a queda de Tróia. Estas passagens de Virgílio são, todavia, pura ficção, pois que Enéias viveu trezentos anos antes de Dido. V. Jarbas.

 

DIMAS (g) Poderoso rei da Trácia que se tornou sogro de Príamo.

 

DINDIMA (g) Uma das denominações dadas a Cibele ou Réia, em recordação de três montanhas da Frígia (Dindima Berecinta e Idea) onde era principalmente adorada.

 

DIOMEDES (g) Filho de Tideu, concorreu com os de Argos ao sítio de Tróia. Bateu-se contra Heitor, feriu Vênus que acorrera em auxílio de Enéias, cravou sua lança nos costados de Marte e matou muitos chefes troianos. Ao morrer, seus companheiros choraram tão amargamente, que os deuses, comovidos por sua dor, os transformaram em cisnes

 

DIONÉIA (g) Ninfa, filha de Urano e da Terra ou do Oceano e de Tétis. Foi amada por Júpiter de quem teve Vênus, segundo Homero. Virgílio dá a Júlio César, o sobrenome de Dioneus, por descender de Vênus por parte de Enéias, filho de Anquises.

 

DIONÍSIO OU DIONISO (g) - é uma das designações de Baco. Baco é também conhecido por liber, porque o vinho, alegrando o espírito, livra-o momentaneamente de toda preocupação. As outras designações são: Jacus, Tioneus e Leneus.

 

DIÓSCOROS (g) Nome com que se designa Castor e Pólux e que quer dizer filho de Júpiter. São representados por dois belos jovens, completamente armados, cavalgando dois belos corcéis brancos. V. Pólux.

 

DISCÓRDIA (r) Companheira inseparável de Belona, foi desterrada do céu  por causa das contínuas disputas que promovia entre deuses. Era representada com a cabeça coberta de serpentes, em lugar de cabelos, segurando numa das mãos uma tocha e na outra uma cobra ou um punhal.

 

DÓRIS (g)  Esposa de Nereu. de cuja a união nasceram as Nereidas.

 

DRÍADES  (g) Eram  ninfas ou deusas que cuidavam das árvores e dos bosques; seu nome vem de drys que em grego significa carvalho. V. Hamadríades.