E

 

 

EACO (g) Filho de Júpiter, rei de Egina. Célebre pela sua Justiça, passou, depois de sua morte, a ser um dos três Juízes dos infernos, com Minos e Radamanto.

 

EAGRO (g) Rei da Trácia, era pai de Orfeu, teólogo, poeta e músico célebre.

 

ECÁSTOR (g) Designação da fórmula de juramento para as mulheres, feito em honra dos Dióscoros. A fórmula para os homens era de Edépol.

 

ECO (g) Filha da Terra (Gaia), amava a Narciso loucamente. Desprezada por ele, retirou-se para os bosques e escolheu por morada os antros e as cavernas, caindo num tal esgotamento que só lhe ficaram os ossos que foram metamorfoseados em penhascos, não restando dela senão a voz.

 

EDÉPOL (g) V. Ecástor.

 

ÉDIPO (g) Filho de Laio, rei de Tebas, e de Jocasta. Um oráculo prevenira Laio de que, se tivesse um filho, este mataria. Quando Édipo nasceu, Laio mandou   expô-lo no monte Citeron onde uns pastores o acharam, levando-o ao rei de Corinto que mandou educá-lo. Atingindo a maioridade consultou um oráculo, o qual lhe disse que, se um dia voltasse à pátria, mataria seu pai e desposaria sua mãe. Édipo exilou-se mas, encontrando-se com Laio, surgiu uma questão de que resultou a morte de Laio. Por esse tempo um monstro, a Esfinge, devastava os arredores de Tebas devorando os viajantes que não adivinhavam os seus segredos. Creon, sucessor de Laio, prometera a mão de Jocasta e o trono a quem livrasse o país do monstro. Édipo adivinhou o segredo da Esfinge, que, furiosa, se atirou ao mar. Por este motivo, Édipo foi aclamado rei e desposou sua mãe. Quando estes fatos foram revelados por um oráculo, Jocasta suicidou-se, enforcando-se, e, Édipo, depois de se ter arrancado os olhos a si próprio, partiu de Tebas tendo por guia sua filha Antígona.

 

EETES (g) Era rei da cólchida, onde se achava o velocino de ouro que Jasão tentara arrebatar, o que conseguiu com o auxílio de Medea, filha de Eetes e que por ele se apaixonara.

 

EGEU (g) Filho de Pandion e rei de Atenas, vencedor graças a seu filho Teseu,

de seus sobrinhos, os Palantidas, que o tinham destronado. Julgando que Teseu havia sido devorado pelo Minotauro, afogou-se no mar que passou a chamar-se Egeu.

 

EGÉRIA (g) Ninfa profetisa, de quem o Rei Numa, segundo a lenda romana, recebia conselhos no bosque de Arica. O seu nome passou a designar uma conselheira secreta.

 

EGISTO (g) Um dos Átridas, filho de Tiestes e de Pelopea. Matou Agamenon, depois de haver seduzido sua mulher Clitemnestra.

 

ELECTRA (g) Filha de Agamenon e de Clitemnestra; vingou com seu irmão Orestes a morte do pai matando Egisto e sua mãe Clitemnestra. V. Egisto e Agamenon.

 

ENCÉLADO (g) O mais célebre dos Titãs que se revoltaram contra Júpiter. Quando fugia para a Sicília foi fulminado e sepultado por Júpiter debaixo do Etna (Vulcão). O seu hálito abrasador é o fogo que sai do vulcão, e, quando quer se virar, toda a montanha estremece.

 

ENDIMIÃO (g) Pastor, que depois de ter sido admitido no Olimpo, por Júpiter, foi de lá expulso e condenado ao sono eterno, por ter desejado o amor de Juno.

 

ENÉIAS (g) Príncipe troiano filho de Vênus e de Anquises, herói de Eneida, de Virgílio. Combateu os gregos durante a Guerra de Tróia e depois de tomada a cidade abordou à Itália no Lácio. Daí a tradição, em que os romanos se fundaram para se atribuírem origem troiana.

 

ENEU (g) Rei de Caledônia, foi pai de Meleagro.

 


ENOMAIO (g) Rei da Élida, advertido por um oráculo de que seria morto por quem fosse seu genro, condicionou a mão de sua filha Hipodamia a uma prova muito difícil, qual a de vencê-lo numa corrida de carro, sendo que o seu era puxado por cavalos mais velozes que o vento. Pelops comprou a fidelidade de Mirtilo, cavalariço de Enomaio. Mirtilo partiu o carro de Enomaio ao meio e o juntou novamente sem que se descobrisse nenhuma emenda. No meio da corrida o carro partiu-se e Enomaio morreu em conseqüência da queda; então Pelops, unido a Hipodamia em feliz matrimônio. Subiu ao trono de Élida.

 

ÉOLOS (g) Deus dos ventos, filho de Júpiter e da Ninfa Menalipo. Na mitologia dos gregos e dos romanos era ele quem desencadeava as tempestades.

 

EOS (g) Aurora.

 

EPÍGONES (g) Com este nome se designam os primogênitos dos sete chefes, que pereceram na expedição contra Tebas, exceto Adrasto. O ideal dos Epígones era vingar seus pais e tomar a cidade de Tebas.

 

EPIMÊNIDES (g) Filósofo cretense, era contemporâneo de Sólon. Tendo se refugiado numa caverna, ali dormiu cinqüenta e sete anos seguidos. Uma vez desperto ninguém mais o conhecia. Morreu com duzentos anos e durante a sua longa vida foi seu alimento a ambrósia que as ninfas de Creta lhe ministravam.

 

EPIMETEU (g) Irmão de Prometeu: desposou Pandora e teve a imprudência de abrir a boceta, onde estavam encerrados todos os males, que se espalharam sobre a Terra. Só ficou a Esperança no fundo.

 

EQUION (g) Filho de Mercúrio, ajudou Meleagro, filho de Eneu, a matar o gigantesco javali que devastava as terras deste último. Este Equion não é o que ajudou Cadmo a levantar a cidade de Tebas.

 

ERATO (g) Uma das nove musas, inspirava a poesia lírica e amorosa. É geralmente representada coroada de mirto e rosas levando um alaúde numa das mãos e uma flecha na outra.

 

ÉREBO (g) Região das Trevas, os Infernos, por onde todos os mortos devem passar. Nascido do Caos e da Noite, segundo a genealogia de Hesíodo.                  

 

ERICINA (r) Designação dada a Vênus e que vem do fato de ela ser venerada num templo no monte Erix, na Sicília.

 

ERÍDANO (g) Filho de Oceano e de Tétis, era o deus de um rio mítico. Em suas águas caiu Faetonte, quando Júpiter o fulminou. Segundo se acredita, é o rio Pó, na Itália.

 

ERIFILA (g) V. Anfiarau.

 

ERIGONA (g) Filha de Icário, rei da Lacônia, era irmão de Penélope e, como ela, tinha um caráter tímido, circunspecto e reservado.

 

ERÍNIAS (g) V. Fúrias.

 

ERITEU  (g) Rei de Atenas, era pai de Oritia, a qual foi raptada por Bóreas.

 

ERITÔNEO (g) Filho de Vulcano. Tendo nascido com as pernas tortas, inventou os carros para ocultar a sua disformidade.

 

EROS (g) Deus grego do Amor, o mais belo dos deuses, conhecido entre os romanos como Cupido. Posteriormente foi considerado filho de Ares (Marte) e Afrodite (Vênus).

 

 

 

ERÓSTRATO (g) Efésio obscuro, que, pretendendo tornar-se imortal por uma destruição memorável, incendiou o templo de Diana, em Éfeso, uma das sete maravilhas do mundo , na mesma noite em que nasceu Alexandre. Os efésios, indignados, publicaram um decreto em que era proibido sob pena de morte pronunciar o nome de Eróstrato. Era o melhor meio de lhe assegurar a imortalidade.

 

ESÃO (g) Rei dos Ioleos, na Tessália, era pai de Jasão. V. Jasão.

 

ESCULÁPIO ou ASCLÉPIOS (g) Deus da medicina, filho de Apolo e de Coronis. Não só curava os doentes como ressuscitava os mortos. Júpiter irritado    fulminou-o, a pedido de Plutão, rei dos Infernos, cujo império se despovoava. O galo, símbolo da vigilância, e a serpente, símbolo da prudência, eram consagrados a Esculápio.

 

ESFINGE (g) Animal misterioso que, a meio caminho de Tebas, propunha enigmas aos viajantes e devorava quem não os adivinhasse. Propôs este a Édipo: "Qual é o animal que anda sobre quatro pés de manhã, sobre dois ao meio-dia e sobre três à noite?" Édipo respondeu: "É o homem, pois se arrasta no chão quando infante, caminha ereto na idade adulta, e durante a velhice anda encostado a um pau". O monstro, furioso, precipitou-se no mar.

 

ESPIO (g) Uma das Nereidas (filha de Nereu).

 

ESQUENEU (g) Rei de Ciros, foi pai de Atalanta. V. Atalanta.

 

ESTÉLIO (g) Criança que Ceres transformou em lagarto, por ter a mesma rido ao ver a avidez com que a deusa devorava a comida que uma pobre mulher lhe fornecera.

 

ESTÊNELO (g) Um dos guerreiros que, no cerco de Tróia, se esconderam no ventre do cavalo de pau.

 

ESTENO (g) Uma das Górgonas que, à guisa de cabelos, traziam serpentes na cabeça, tinham mãos de ferro, asas de ouro e o corpo coberto de escamas, dispondo as três de um único olho, um chifre e um dente que usavam alternadamente. Quem as olhasse, transformava-se em pedra. V. Górgona.

 

ESTENEBÉIA (g) V. Belerofonte.

 

ESTIGE (g) Um dos cinco rios de Hades, os Infernos. Tornavam-se inquebrantáveis todos os juramentos feitos sobre suas águas frias e lamacentas. Foi nesse rio que Tétis, mãe de Aquiles, mergulhou o filho, a fim de troná-lo invulnerável.

 

ESTRÓFIO (g) Rei da Fócia e cunhado de Agamenon, acolheu Orestes, ainda infante, encarregando-se de sua educação, quando Agamenon tombou sob o punhal uxoricida de Clitemnestra. V. Agamenon, Clitemnestra e Electra.

 

ETÉOCLO (g) Irmão de Polinício, ambos filhos de Édipo e Jocasta. Na guerra dos sete chefes mataram-se um ao outro; a mitologia conta que nem mesmo a morte pôde diminuir o ódio destes dois irmãos e observou-se que as chamas que os devoravam se separavam em duas partes.

 

ETRA (g) Esposa de Atlas, era mãe das Híades.

 

EUFORBO (g) Um dos ilustres guerreiros que defenderam Tróia do ataque dos gregos coligados.

 

EUFROSINA (g) Uma das três Graças, habituais companheiras de Vênus e Cupido. As outras duas eram Aglai e Talía.

 

EUMÊNIDES (g) Nome sob o qual se designam as Fúrias. V. Fúrias.

 

EURIALE (g) Uma das Górgonas. V. Górgonas.

 

EURÍDICE  (g) Esposa de Orfeu, a qual fugindo às perseguições de Aristeu, foi ferida no calcanhar por uma serpente, resultando-lhe a morte desse ferimento. Plutão, comovido com as lágrimas de Orfeu, permitiu-lhe que voltasse à companhia do marido, sob condição de que este não a olharia senão depois que ela houvesse transposto os confins do reino dos mortos. Eurídice estava a ponto de triunfar dos obstáculos, quando Orfeu, esquecido da promessa e faltando apenas um passo se deteve e olhou para trás... Nesse momento Eurídice lhe é arrebatar. Acabrunhado retirou-se para as montanhas sem outra companhia além da dos animais que amansava com o seu canto.

 

EURISTEU (g) Rei de Micenas, deu ordem a Hércules para que este executasse doze empresas temerárias, conhecidas por trabalhos de Hércules. Foi morto por Iolas (dizem outros que por Hilos, filho de Hércules) uns trinta anos antes do início da guerra de Tróia.

 

EURITO (g) Um dos Gigantes que lutaram contra Júpiter. Foi morto pelo tirso de Dionisio (Baco).

 

EUROPA (g) Filha de Agenor, rei da Fenícia e irmã de Cadmo, foi raptada por Júpiter que se transformara em touro.

 

EUTERPE (g) Nome que significa gênio agradável, era a musa da música. É comum representá-la coroada de flores e com sua flauta na mão.

 

EVADNE (g) Era esposa de Capaneu, príncipe de Argos. Este príncipe foi fulminado por Júpiter, em castigo de sua impiedade. Evadne, que lhe professava um terno afeto, aproveitou-se do momento em que seu corpo era queimado na fogueira e atirou-se às chamas, sendo pois consumida por elas.

 

EVANDRO (g) Rei da Arcádia, sendo obrigado a fugir de seu país natal, levou ao Lácio o culto do deus Pã; ali suas festas foram chamadas lupercais.

 

EVIUS (g) Palavra tirada de Evoé que serve para designar Baco, também conhecido por Dionísio e Liber.