J

 

 

JACINTO (g) Filho de Amiclas era amigo íntimo de Apolo. Zéfiro enciumado por isso, desviou, um dia em que Jacinto jogava com seu rival, o disco contra o jovem causando-lhe a morte.

 

JANUS (r) O Rei mais antigo do Lácio, era natural da Tessália. Ao chegar às margens do Tibre suavizou os costumes dos habitantes daquelas paragens, deu-lhes lei e humanizou-os. Quando Saturno foi expulso do céu, escolheu o Lácio para moradia, e Janus levou sua generosidade até dar-lhe sociedade no seu império. Janus é representado sob a figura de um jovem com dois e até quatro rostos. Ostenta na mão direita uma chave, pois foi ele quem inventou as portas e, na esquerda, um báculo para indicar o domínio que exercia sobre caminhos e estradas. Numa ergueu-lhes um templo que permanecia fechado em tempo de paz e abria-se logo que estalava a guerra.

 

JAPETO (g) Um dos titãs, irmão de Cronos.

 

JARBAS (g), Rei de Getulia, solicitou a mão de Dido logo que esta fundou Cartago. Ela, porém, fiel à memória de Siqueu, seu marido, recusou-se. Jarbas resolveu fazê-la  render-se pela força, tendo para isso organizado um exército que sitiou Cartago. Pediu, então, três meses de tréguas, para, durante esse tempo, procurar aplacar os males de Siqueu. Transcorrido esse tempo e vendo-se novamente solicitada e ameaçada por Jarbas, subiu a um monte de lenha que estava preparando para a fogueira, no interior do palácio, tirou de entre sua roupa um punhal que trazia oculto e suicidou-se. O que Virgílio conta sobre os amores de Dido e Enéias é pura ficção, uma vez que Enéias viveu trezentos anos antes da fundação de Cartago.

 

JASÃO (g) Filho de Eson, rei de Ioclos, foi criado pelo centauro Chiron. Deposto do trono por Pérlias, guiou os Argonautas à conquista do Tosão de ouro na Cólchida. Trouxe de lá Medéia, a quem desposou. Retirou-se  em seguida para Coriato e repudiou Medéia para casar-se com Creusa, filha de Sísifo. Medéia vingou-se, matando Sísifo, Creusa e os dois filhos que tivera de Jasão.

 

JÁSIO (g) Pai de Atalanta. V. Atalanta.

 

JOCASTA (g) Mulher de Laio, rei de Tebas e mãe de Édipo a quem desposou sem saber que ele era seu filho e de quem teve Etéoclo, Pollinício, Antígona Ismene. Depois do exílio de Édipo, enforcou-se de desespero. V. Édipo.

 

JULO (r) Filho de Ascânio e neto de Enéias e Creusa, quis opor-se, sem sucesso, porém, a que Silvo-Enéias, filho de Enéias e Lavínia, assumisse o governo do Lácio.

 

JUNO (r) Irmã e esposa de Júpiter era filha de Saturno. Era senhora do Céu e da Terra, protetora dos reinos e dos impérios. Dispensava, sobretudo especial proteção às esposas virtuosas. Quando presidia aos nascimentos, tomava o nome de Lucina, Juno-Lucina ou Ilícia. Os poetas apresentavam-na como orgulhosa, ciumenta e vingativa.

 

JÚPITER (r) ou ZEUS (g) O pai e o soberano dos deuses, na religião dos gregos e dos romanos. Venceu os Titãs, venceu seu pai Saturno, deu a Netuno o mar a Plutão os infernos, e guardou para si o Céu e a Terra. Os diversos atributos com que é representado valeram-lhe os cognomes de: Júpiter Tonante, Júpiter Ferétrio, etc.

 

JÚPITER AMON (r) Nome sob o qual era Júpiter venerado nos desertos arenosos da Líbia; origina-se do fato de haver Baco, quando atravessava esse deserto, ter sido socorrido por Júpiter, a quem pedira auxílio para não morrer de sede. Agradecido, Baco levantou-lhe um templo, que se tornou ponto peregrinação para onde acudiam adoradores de todas as partes da Terra.