V

 

 

VÊNUS (r) Deusa da beleza e do amor, nasceu da espuma do mar, provida de todos os encantos. Acolhida pelas Horas que a fizeram sentar num carro e a transformaram ao Olimpo; ali os risos, as Graças e os jogos constituíram seu cortejo. Júpiter deu-a por esposa a Vulcano que acabava de inventar o raio; Vênus porém amava Adônis. Este, ferido por um javali, foi socorrido por Vênus, porém demasiado tarde. A deusa regou-se o seu sangue com néctar e o converteu numa flor chamada anêmona. Vênus implorou aos deuses para que lhe devolvessem a lei do destino tal não permitia, entretanto. Levantaram-lhe templos e elevaram-no à categoria dos deuses e, em sua honra foram instituídas as festas chamadas adonias. O culto de Vênus era universal, jamais seus altares foram, porém, manchados com sangue; contentavam-se de neles queimar incenso e perfumes. Seus templos principais eram os de Pafos, Amatonte e Idalia na ilha de Chipre; o de Gnido em Carla; o de Citera no Peloponeso e o do monte Erix, na Sicília. Cupido ou Amor, filho de Vênus, deus sedutor, apenas veio ao mundo e Júpiter prevendo os danos que esse menino podia causar, mandou a Vênus que o fizesse desaparecer. Esta ocultou-o num bosque onde foi amamentado por leoas. Quando se sentiu forte, fez setas de cipreste. Exercitando-se no tiro contra os animais que o haviam amamentado, adestrou-se na arte de fazer os homens vítimas de seus dardos.

 

VERTUNO (r)  Deus das estações, entre os romanos, é o emblema do ano, de suas variações e da inconstância das coisas. Seu nome provém de uma palavra latina que significa "cambiar", "variar". V. Pomona.

 

VESTA (r) Deusa do fogo, era filha de Saturno e de Cibele. Seu culto foi introduzindo na Itália por Enéia. Cinco séculos depois, Numa erigia-lhe um templo em Roma, no qual se guardava o palácio e se mantinha, continuamente vivo, o fogo sagrado. Costumavam representá-la vestida com uma larga túnica e a cabeça coberta por um véu. Suas sacerdotisas, chamadas vestais, foram escolhida primeiramente pelo reis e em seguida pelos pontífices. Deviam ser livres e não possuir defeito físico algum. Sua missão era a de guardar o templo de Vesta e manter sempre aceso o fogo sagrado, símbolo da perenidade do império. Se o  fogo se apagasse, produzia-se na cidade uma aflição geral, interrompiam-se os negócios públicos, e a tranqüilidade não voltava senão quando houvesse obtido o fogo sagrado que o sacerdotes procuravam obter diretamente dos raios do Sol, ou o do fogo produzido pelo raio, ou por meio de um trado que faziam girar com grande velocidade no orifício praticado num pedaço de madeira. As vestais deviam rigoroso celibato, sua castidade e inocência deviam ser exemplares. O castigo das culpadas consistia em enterrá-las. A infeliz baixava ao sepulcro no meio das cerimônias mais espantosas; o verdugo colocava a seu lado uma lâmpada, um pouco de azeite, um pão, água e leit, depois fechava o sepulcro sobre a  sua cabeça. As vestais eram cercadas d maior respeito e consideração. Quando cumpriam trinta anos de serviço sacerdotal, era-lhes permitido substituir a tocha de Vesta pela tocha do himeneu. Raras, porém, se valiam dessa prerrogativa.

 

VINGANÇA V. Nêmesis.

 

VULCANO (r) Filho de Júpiter e de Juno, era tão disforme ao nascer que seu paio arrojou do alto dos céus. O celeste aborto rolou pelo espaço de um dia, até cair na ilha de Lenos. Se não possuía os dons exteriores, era, todavia, o mais industrioso dos imortais. Com um pouco de argila amassada com água, formou a primeira mulher e embelezou-a com tais atrativos que os deuses acumularam de dons e lhe e lhe deram o nome de Pandora. Vulcano estabeleceu em Lenos duas forjas e, pela primeira vez, foram polidos o ouro, o ferro, o cobre e o aço. Sob sua direção se construíram novas oficinas nas cavernas do monte Etna; ali trabalhava Vulcano com seus ciclopes, gigantes que tinham penas um olho no meio da testa. Foi ali que se forjaram as armas e Aquiles, o escudo de Hércules e as vinte trípodes providas de rodas e que, por si mesmas, sem receber impulso algum, se dirigiam ao anfiteatro onde se onde se reuniam os deuses. Costuma-se representar Vulcano junto a uma forja, banhado em suor abundante, empunhando numadas mãos um martelo e com a outra segurando o raio. Seus filhos principais são Cecrops, fundador e rei de Atena, Eritôneo, que veio ao mundo com as pernas tortas e inventou os carros para ocultar sua disformidade, e o bandido Caco, que Hércules matou na Itália.