Empresas Oferecem Vagas?

Lendo o artigo da Fabiana Ribeiro sobre a lei de 1991 que obriga as empresas terem uma cota de vagas que varia de 2% a 5% para portadores de deficiência, lembrei-me, das várias vagas de oferecida em jornais e sites.

Realmente bancos, firmas e escolas ofereciam (ainda oferecem), oportunidade de emprego, mas, para pessoas com o segundo ou terceiro grau, e, com experiência mínima de UM ano.

Em nenhum momento vi nos lugares que li, vagas com funções simples, em que o portador de deficiência pudesse trabalhar com pouca escolaridade.

Se o portador de deficiência não conseguiu, fazer o segundo grau completo, não conseguiu concluir o terceiro grau ou não conseguiu chegar até a tão desejada faculdade... Deverá ele ser excluído da sociedade?

Se o portador de deficiência, nunca trabalhou, como poderá ter experiência? Deverá ele, ser condenado ao eterno desemprego, por ter cometido o crime de nunca ter trabalhado antes?

Tive a nítida impressão, que as vagas oferecidas, o eram, apenas por serem obrigatório por lei. Ao ser colocada tanta exigência, a maioria é automaticamente excluída. Talvez, até mesmo essa vaga nunca chegue a ser preenchida – "não por culpa da empresa" – mas, por não ter aparecido ninguém capacitado para preencher-la.

Lembrei-me da luta (infrutífera) que tive por vários anos com escolas e instituições, para que houvesse realmente uma PROFISSIONALIZAÇÃO com portador de deficiência mental.

Lembrei-me das vezes que critiquei duramente diretores e diretoras de escolas especiais "profissionalizantes" (ONG ou não), por não oferecem no próprio local, oportunidade de trabalho.

Lembrei-me de uma escola, que após eu ter conversado "duramente", resolveu deixar UM (a) aluno(a) por uma ou duas horas em "exposição", uma ou duas vezes por semana na secretária da escola (só pra dizer que o aluno trabalhava lá).

Isso para mim é não é trabalho. Quando digo trabalho, o que quero dizer é: TRABALHO DE VERDADE. É dar responsabilidade ao aluno-funcionário, é faze-lo se sentir um ser humano de verdade.

Não quero um "enrolar", um "passar de mão na cabeça" dos genitores (já tão desgastados).

Creio que é um absurdo, e, cômico ao mesmo tempo; uma "escola especial profissionalizante", não ter em seu próprio estabelecido de ensino, um portador de deficiência trabalhando lá normalmente.

É como se dissem:

"Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço".

Há pais que por motivos óbvios ou por motivos particulares, não desejam colocar seu filho em uma escola "normal". E por isso vão em busca de uma escola especial.

Não seria incentivante para um pai, ao chegar a esse local, ser atendido por um(a) recepcionista portador(a) de deficiência mental ?

Imagine que conceito ele teria dessa escola se visse um rapazinho portador de deficiência, atendendo ao telefone e anotando os recados.

Que sensação gostosa experimentaria esse pai, ao tomar um cafezinho servido por um portador da síndrome de Down, enquanto esperasse pelo diretor. Que conceito da escola levaria esse mesmo pai, ao ver uma mocinha simpática e sorridente, portando algum tipo de deficiência mental tirando xerox?

Cheguei a triste conclusão que as escolas (que visitei) não se interessavam realmente pela profissionalizam no sentido exato da palavra.

No texto, li ainda: "Segundo as companhias, existe um problema, que é comum a todo o mercado brasileiro: falta de qualificação".

No que se refere ao portador de deficiência, essa falta de qualificação continuará a existir, enquanto as escolas não se conscientizarem que seus alunos têm capacidade, e que podem fazer muito mais, do simplesmente  fazer bijuterias, cobrir caixinhas com papel e fazer objetos com cerâmica.

Quanto ao trabalhador em geral, também continuará a falta de profissionalização, enquanto entidades, igrejas etc, continuarem a dar "assistência" ao desempregado, levando somente, roupas, cestas básicas e às vezes até dinheiro. Ele precisa muito mais que isso.

Faz-se necessário, que entidades (governamentais ou não), igrejas e etc, formem grupos de pessoas qualificadas, e que essas pessoas se dirijam a bairros carentes e ensine uma profissão ao desempregado, dando-lhe assim uma qualificação.

Um provérbio chinês diz: "Se você der um peixe ao homem faminto, ele se tornará seu dependente, ensine-o a pescar e ele se tornará a vida inteira independente"

Alguém pode dizer, mas, há alguns lugares que oferecem a profissionalização. Verdade! Mas eu pergunto, como o desempregado sem dinheiro nem pra comprar um pãozinho para os seus filhos, vai arrumar o dinheiro da condução? As vezes ele mora num bairro tão afastado, que seria necessário tomar até três conduções (ida e volta, igual a seis).

Mesmo existindo um instituto com a competência do IBDD (Instituto Brasileiro de Defesa dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência), mostra-se necessário então que haja também outras entidades que ajudem a completar o serviço acima citado.

Muriel Elisa Távora Niess Pokk - 2004

Texto registrado em cartório