LEMBRANÇAS

                         Muriel Elisa Távora Niess Pokk

A brisa suave balançava levemente

meus cabelos...

Seus braços enlaçavam-me

carinhosamente...

Apenas nós dois...

A relva verde...

nós nos amávamos... 

Nada nos preocupava a não ser

o nosso amor puro e doce.

Não acreditávamos que existisse

a maldade.

Como éramos felizes,

pensávamos que a felicidade

era comum a todos...

ela durasse eternamente.

Um dia você teve que ir,

Lágrimas corriam meus olhos

e dos seus.

Hoje, solitária e triste,

chego a amarga conclusão

que a felicidade e o amor,

passam por nós,

mas nunca habitam

 definitivamente em nossos

corações.

– 1968 -

Registrado em cartório