Diagnóstico

O diagnóstico do TDAH é um processo de múltiplas facetas.  Diversos problemas biológicos e psicológicos podem contribuir para a manifestação de sintomas similares apresentados por pessoas com TDAH.  Por exemplo, a falta de atenção é uma das 9 características do processo de depressão.  Impulsividade é uma descrição típica de delinqüência.

O diagnóstico de TDAH  pede uma avaliação ampla . Não se pode deixar de considerar e avaliar outras causas para o problema, assim, é preciso estar atentos à presença de distúrbios concomitantes (comorbidades).  O aspecto mais importante do processo de diagnóstico é um cuidadoso histórico clínico e desenvolvimental.  A avaliação do TDAH inclui, freqüentemente, um levantamento do funcionamento intelectual, acadêmico, social e emocional.  O exame médico também é importante para esclarecer possíveis causas de sintomas semelhantes aos do TDAH (por exemplo,  reação adversa à medicação, problemas de tiróide, etc.)   O processo de diagnóstico deve incluir dados recolhidos com professores e outros adultos que, de alguma maneira, interagem de maneira rotineira com a pessoa sendo avaliada.  Embora se tenha tornado prática popular testar algumas habilidades como resolução de problemas, trabalhos de computação e outras,  a validade dessa prática bem como sua contribuição adicional a um diagnóstico correto continuam a ser analisadas pelos pesquisadores. 

No diagnóstico de adultos com TDAH, mais importante ainda é conseguir o histórico cuidadoso da infância, do desempenho acadêmico, dos problemas comportamentais e profissionais.  À medida que aumenta o reconhecimento de que o transtorno é permanente durante a vida da pessoa, os métodos e questionários relacionados com o diagnóstico de um adulto com TDAH estão sendo padronizados e se tornando cada vez mais acessíveis.